quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Ela

Alguns a consideravam desligada,
outros a viam como "tranquila demais"...

Ela era uma fugitiva, uma evitativa.
Se vocês acham que algo mudou depois que ela descobriu isso,
eu vos informo que: não. Nada mudou.

Ela apenas aprendeu a viver ou conviver com mais uma verdade sobre ela mesma...

Evitativa-fugitiva.

Ela evitava riscos, risos, dores...
Ela fugia por meio de livros, discos e filmes..
Ela evitava se envolver.

Ela não brigava, não chorava ou corria.
Ela evitava qualquer situação que pudesse levar a algum tipo de explosão
para o bem ou para o mal.


ps: e termina bruscamente, assim.
ps2: terminei a biografia do Renato (Renato Russo - O filho da revolução), depois comento as impressões, okay?

x* namastê *x

6 comentários:

Marcela' disse...

Ah, evitar o mal é uma coisa, evitar a vida é outra! Ser menos evitativa já! haha
Ah, por favor, conte da biografia, quero saber o que achou~!
Beijones

Gabriela Awbooc. disse...

Eu gostava das explosões de Clarice. Acho que gostaria das dela também :) Dariam a impressão que o coração realmente é uma bomba, e que ela possuía um.

Beijos, Lubs!

Nadja Reis disse...

eu sou uma ''Evitativa-fugitiva''...


me vi nesse texto!


:**

Marcelo Tavares disse...

Não existe ninguém que consiga viver incólume por tanto tempo... =)

Anna Flávia disse...

Excessos raros são aceitáveis. Tento fugir da minha tendência a evitar e fugir...

Beijo

Anônimo disse...

parece cmg!